27.9.07

Caos em Febre

A cidade tem uma poesia suja
Em sacos abandonados,
nos cachorros entulhados
no deserto gradeado e negro,
perto e distante...
Da Fé na violência,do medo nas igrejas

Passam como um flash, as àrvores negras
Do concreto sem freio, sobreviventes
Em Olhares leves e frios
Nos Outonos noturnos.

Outras Noites eram florestas...
Aguas puras e índias cachoeiras,
Iluminava a luz da lua,
intactas belezas.

A cidade mesmo cidade é poética,
Poética mesmo cidade.
cores e febres como um filme,
de luzes vagas em meio a praga.
.
.
.
Deborah Caridade

3 comentários:

_Roger-nat disse...

Heyy menina
Na verdade depois de ler todas poesias daqui não posso mais te chamar assim,porque você cresceu e muito desde teu blog antigo, o outro já era espetacular mas o que faltava nele eu to vendo aqui deixa eu expressar um bom e belo caraaalhhooooo!
Curti muito o que eu li..vc tá de parabéns de verdade,vc cresceu p/caralho e tenho certeza que vai melhorar + ainda porque talentos como o seu são raros!!! bjaão

eu outra vez disse...

"no deserto gradeado e negro, perto e distante...
Da Fé na violência,do medo nas igrejas"...

Foda esse trecho! ^^

Matheus Falabella disse...

MuaHahahahh...!
Aí sim q tá a beleza! Caos urbano total...isso q é bom, gostoso de viver, toxicado de Co2, nos engarrafamentos! Foda tbm essa poesia
:* gata

Bem Vindo =)

Aqui estão algumas poesias e textos de minha autoria. Fique à vontade para passear pelo blog, comentar nas postagens e visitar os links de outras páginas especialmente selecionados.

Amo escrever aqui e na correria de sempre, que é muita (como toda criatura urbana), volta e meia ele fica um pouco desatualizado. Mas busco atualizá-lo sempre que possível, não tenho uma frequência exata, mas em respeito a quem acompanha e visita, ao menos uma postagem por mês ou semana você encontra por aqui!

.*Obrigada a quem visita*.*.